COMPARTILHAR

Por G1

É o segundo melhor resultado do ano, atrás apenas de agosto. Entidade reviu para cima a projeção para o ano e espera alta de 10% sobre 2016 para carros.

venda de carros, comerciais leves, caminhões e ônibus novos cresceu 24,5% em setembro, na comparação com o mesmo mês de 2016, informou a federação dos distribuidores, a Fenabrave, nesta terça-feira (3). A entidade também revisou as projeções para o ano.

No mês passado foram emplacados 199.227 veículos, contra 159.953 em setembro do ano passado. É o segundo melhor resultado para o setor em 2017, atrás apenas de agosto, que registrou 216 mil unidades comercializadas.

No acumulado do ano, foram vendidos 1,62 milhão de veículos novos no país – uma alta de 7,36% sobre o verificado no mesmo período do ano passado.

Venda de veículos novos no Brasil em 2017

Fonte: Fenabrave

O avanço é puxado pelas vendas de automóveis e comerciais leves (picapes e furgões), que representam a grande maioria dos emplacamentos e tiveram crescimento de 24,9% no mês e 7,86% no acumulado do ano, também na comparação com os mesmos períodos de 2016.

Projeções revistas

No começo do ano, a Fenabrave estimava que as vendas de automóveis e comerciais leves cresceriam 2,04% sobre 2016. Agora os concessionários acreditam que a alta chegará a 9,9%.

A queda da inflação e da taxa de juro, que é referencial para formação de contratos de financiamento, foram apontadas como os principais motivos para reanimar as compras de carros no país.

Os emplacamentos de caminhões, para os quais era esperada alta de 2,8%, deverão cair 2% sobre o ano passado, diz a nova projeção. Para ônibus, a previsão melhorou: de alta de 4,4% para 8%.

Em agosto, a associação das montadoras (Anfavea) também revisou suas projeções.

Pesados

Em setembro, foram vendidos 1.105 ônibus e 5.647 caminhões, com alta de 33% e 9,3%, respectivamente, sobre o registrado em setembro de 2016.

Nos primeiros 9 meses do ano, os emplacamentos de veículos pesados acumulam queda de 7% sobre o ano passado.

“A safra contribuiu, mas não o suficiente para mudar o cenário”, diz o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção. As vendas de caminhões também não sobem tanto porque, segundo ele, ainda há veículos novos nas empresas: “Ainda há frota disponível nas transportadoras para ser utilizada.”

Motos

O ano também continua no vermelho para vendas de motos, que são contadas à parte. Os emplacamentos caíram 4,9% no mês passado, também em relação a 1 ano atrás, somando 66.237 unidades.

No ano, o volume chega a 640.210, 17,5% abaixo das vendas de janeiro a setembro de 2016. Para Assumpção, o problema continua sendo a baixa oferta de crédito.

“A cada 10 fichas de financiamento (de moto) cadastradas, apenas 1,5 é aprovada”, diz o presidente da Fenabrave.

Por isso, a Fenabrave piorou a perspectiva para o segmento, que vem sofrendo sucessivas quedas desde a crise de 2008. Em vez da baixa de 4%, prevista no início do ano, é esperado um recuo de 13%.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui