COMPARTILHAR

Por Quatro Rodas

Excesso de artifícios eletrônicos de SUV às vezes mais atrapalha do que ajuda

Lanternas com efeito 3D (Foto: Leo Sposito/Quatro Rodas)

Desde o lançamento do Range Rover Evoque, era difícil ver um novo Land Rover surpreender quando o assunto é design marcante.

O Range Rover Velar, porém, se não consegue atingir a meta, é o modelo da marca inglesa que chega mais perto disso.

As três telas são customizáveis: 12,3 polegadas atrás do volante e duas de 10 no console central (Foto: Leo Sposito/Quatro Rodas)

Os faróis de led afilados chamam a atenção, com um desenho ousado reforçado pelas entradas de ar do para-choque exclusivo das versões R-Dynamic.

Na lateral, as maçanetas embutidas (como no Jaguar F-Type) dão elegância ao SUV, enquanto um friso em preto brilhante une as lanternas translúcidas na traseira.

O foco no design continua no interior, praticamente sem botões. Para conseguir isso, a Land Rover bebeu da escola Tesla e recheou o interior do Velar com três telas: uma de 12,3 polegadas no quadro de instrumentos e outras duas, de 10 polegadas cada, para controlar som, suspensão, ar-condicionado e até a massagem dos bancos dianteiros.

A central multimídia superior varia sua inclinação (Foto: Leo Sposito/Quatro Rodas)

Mas um dos destaques do Velar pode ser seu ponto fraco. No teste da versão R-Dynamic HSE P380, a unidade avaliada apresentou quatro falhas eletrônicas, sendo a mais grave na suspensão pneumática, que ficou inoperante.

Também houve uma pane na tela central inferior, que desapareceu após desligar e ligar o sistema algumas vezes, mas, se persistisse, exigiria paciência até chegar à concessionária: como essa tela não tem redundância, não seria possível ligar o ar-condicionado nem alterar o modo de condução e altura da suspensão.

Simplicidade também traz elegância a SUV (Foto: Leo Sposito/Quatro Rodas)

Mesmo funcionando, as telas acabam atrapalhando no dia a dia, já que, para acionar qualquer comando, é preciso tirar os olhos da pista por preciosos segundos.

E, contrariando a tendência de mercado, o sistema não tem conexão para celulares com Android Auto e Apple CarPlay.

Os botões no volante são sensíveis ao toque (Foto: Leo Sposito/Quatro Rodas)

A incerteza sobre a robustez da eletrônica prejudicou a boa impressão que o Velar dá. O V6 3.0 com compressor gera bons 380 cv, que foram capazes de levar seus 1.884 kg de 0 a 100 km/h em 6,1 segundos.

O V6 3.0 com compressor gera bons 380 cv, e levam seus 1.884 kg de 0 a 100 km/h em 6,1 segundos (Foto: Leo Sposito/Quatro Rodas)

Pena que bebe muito na cidade (fez 7,4 km/l no nosso teste). O eficiente câmbio automático ZF de oito marchas responde rapidamente ao acelerador e permite retomadas sempre na casa dos 4 segundos ou abaixo.

A suspensão a ar controla bem com a rolagem da carroceria, mas os pneus Pirelli Scorpion Zero chegam rapidamente ao limite da aderência.

Aerodinâmica refinada permitiu um Cx de apenas 0,32 (Foto: Leo Sposito/Quatro Rodas)

O conjunto não transmite insegurança, mas a limitação dos compostos italianos tira a empolgação extra que o Velar poderia transmitir.

A posição de dirigir não é tão elevada quanto o porte do carro sugere, mas há espaço de sobra para cinco adultos. Quem for atrás conta até com inclinação elétrica do encosto, mas não há entradas USB adicionais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui